SINJ-DF

RESOLUÇÃO Nº 167, DE 13 DE JULHO DE 2004

Regulamenta a ORDEM DO MÉRITO DE CONTAS RUY BARBOSA, do Tribunal de Contas do Distrito Federal.

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso XXVI, do Regimento Interno, tendo em vista o disposto no art. 1º da Emenda Regimental nº 16, de 13.7.04, e o que consta do Processo nº 865/2004, resolve:

Art. 1º A ORDEM DO MÉRITO DE CONTAS RUY BARBOSA, instituída pela Emenda Regimental nº 16, de 13.7.04, destina-se a agraciar personalidades, civis ou militares, nacionais ou estrangeiras, que se tenham tornado dignas desse galardão.

Art. 2º A ORDEM DO MÉRITO DE CONTAS RUY BARBOSA, do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF), será concedida:

I - a pessoas que tenham prestado notáveis serviços ao País ou ao Distrito Federal (DF), particularmente, em questões ou matérias relacionadas com o controle externo da Administração Pública;

II - a pessoas que tenham contribuído, de maneira significativa, para o enriquecimento do acervo bibliográfico e da literatura especializada, no atinente às funções institucionais de controle, afetas aos Tribunais de Contas;

III - a pessoas que se hajam distinguido, marcantemente, no exercício de suas profissões, constituindo-se em exemplos para a coletividade, na defesa do erário e no controle dos atos de gestão pública; e

IV - a pessoas que, de qualquer modo, hajam contribuído sobremaneira, para o realce das instituições de controle no Exterior, no País, ou mais particularmente no Distrito Federal (DF).

Parágrafo único. Poderão, também, ser agraciadas com as insígnias da Ordem as instituições civis e as corporações militares, ou as suas Bandeiras, pelos serviços prestados à comunidade, ao País ou ao Distrito Federal, na preservação e controle dos gastos e do patrimônio público.

Art. 3º A ORDEM DO MÉRITO DE CONTAS RUY BARBOSA do TCDF consta dos seguintes graus:

a) Grã-Cruz

b) Grande Oficial

c) Comendador

d) Oficial

e) Cavaleiro

Art. 4º A insígnia da Ordem será constituída por uma Cruz, no modelo da “Cruz de Brasília”, representada pela caderna de setas, ilustrativas da Bandeira do Distrito Federal, esmaltada em branco, tendo ao centro um círculo, no qual se insere a sigla do TCDF, com a “Coluna de Brasília”, contornado pela legenda em dourado “MÉRITO DE CONTAS RUY BARBOSA”.

Art. 5º As insígnias da Ordem, com placas, botões, barretas, fitas e demais apetrechos, inclusive estampas, cores e detalhes, constam do Anexo desta Resolução. (*)

Parágrafo único. No traje diário, os agraciados com Grã-Cruz, Grande Oficial e Comendador podem usar, na lapela, uma roseta com as cores da Ordem sobre fita de metal dourado, douradoprateado e prateado, respectivamente, podendo os agraciados no grau de Oficial usar uma roseta, e no de Cavaleiro, uma fita estreita.

Art. 6º A ORDEM DO MÉRITO DE CONTAS RUY BARBOSA compreende dois Quadros:

I - Ordinário e

II - Especial

Art. 7º O Quadro Ordinário será constituído pelos membros do TCDF, suas autoridades e integrantes de seus serviços auxiliares, agraciados com qualquer dos graus da Ordem, que estejam no exercício de cargo ou função no Tribunal.

Parágrafo único. O Quadro Ordinário terá o seguinte efetivo máximo, que poderá ser alterado, pelo Conselho da Ordem:

Grã-Cruz 10

Grande Oficial 20

Comendador 30

Oficial 40

Cavaleiro 50

Art. 8º O Quadro Especial será constituído de personalidades nacionais ou estrangeiras e entidades, agraciadas com qualquer dos graus da Ordem.

Parágrafo único. O Quadro Especial terá número ilimitado de integrantes, no qual serão admitidas personalidades que exerçam ou já exerceram cargos, funções e mandatos públicos, não necessariamente relacionados com atividade estatal, observados os mesmos critérios de hierarquia e honras do Quadro Ordinário.

Art. 9º Os agraciados pertencentes ao Quadro Ordinário passarão, automaticamente, no mesmo grau, para o Quadro Especial, quando:

a) da aposentadoria;

b) da exoneração ou dispensa dos cargos ou funções, em razão dos quais foram agraciados;

c) da cessação do seu serviço ativo no TCDF.

Parágrafo único. Dá-se vaga no grau, do Quadro Ordinário, com a promoção, o falecimento e a exclusão do agraciado, além das transferências previstas neste artigo.

Art. 10. A concessão dos graus da Ordem obedecerá ao seguinte critério:

Grã-Cruz - Presidente e Vice-Presidente da República, Presidente do Senado, Presidente da Câmara dos Deputados, Presidente do Supremo Tribunal Federal, Presidentes dos Tribunais Superiores (TSE, STJ, STM, TST e TCU), Ministros de Estado, Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, Governadores dos Estados e do Distrito Federal, Presidentes das Assembléias Legislativas dos Estados, da Câmara Legislativa do DF, dos Tribunais de Justiça dos Estados e do DF, e dos Tribunais de Contas, Embaixadores Estrangeiros e outras personalidades de hierarquia equivalente.

Grande Oficial - Senadores e Deputados Federais, Ministros do Supremo Tribunal Federal, Ministros, Auditores e Subprocuradores-Gerais do Tribunal de Contas da União, Membros dos demais Tribunais Superiores, Almirantes-de-Esquadra, Generais-de-Exército, Tenentes-Brigadeiros, Desembargadores dos Tribunais de Justiça dos Estados e do Distrito Federal, Conselheiros dos Tribunais de Contas, Deputados Estaduais, Prefeitos e Vereadores, Ministros de 1ª ou 2ª Classe, Enviados Extraordinários e Ministros Plenipotenciários estrangeiros, Secretários do Distrito Federal e dos Estados, Deputados Distritais, e outras personalidades de hierarquia equivalente.

Comendador - Presidentes de entidades estatais de grande porte, Vice-Almirantes, Generais de Divisão, Majores-Brigadeiros, Conselheiros, Cônsules Gerais Estrangeiros, Conselheiros de Embaixada ou Legação Estrangeiras, Reitores, Presidentes de Associações Científicas, Culturais e Comerciais, Servidores Públicos e personalidades de hierarquia equivalente.

Oficial - Professores Universitários, Juízes, Oficiais Superiores das Forças Armadas ou das Auxiliares, Primeiros Secretários, Profissionais Liberais, Primeiros Secretários de Embaixada ou Legação Estrangeiras, Titulares de cargos comissionados de maior graduação, Servidores Públicos e personalidades de hierarquia equivalente.

Cavaleiro - Militares das Forças Armadas e das Auxiliares, Cônsules Estrangeiros, Segundos e Terceiros Secretários de Embaixada ou Legação Estrangeiras, Trabalhadores, Artistas, Escritores, Desportistas, Servidores Públicos e personalidades de hierarquia equivalente ou de dificultado enquadramento nos graus superiores, ainda que mais adequados.

Parágrafo único. Na concessão de insígnia, será considerado o cargo, a função ou o mandato que exerce o agraciado ou que porventura já tenha exercido, observado o respectivo grau de correspondência, caso não conste do rol enumerado neste artigo, independente de estar no Quadro Ordinário ou no Especial e de deter uma situação funcional inerente à de outro.

Art. 11. O Presidente do Tribunal de Contas do Distrito Federal é o Grão-Mestre da Ordem, competindo-lhe, nessa qualidade, proceder às nomeações, promoções e exclusões de seus membros.

Parágrafo único. Aos Conselheiros do Tribunal de Contas do Distrito Federal cabe o grau de Grã-Cruz, cabendo aos Auditores e Procuradores o de Grande Oficial.

Art. 12. A Ordem será administrada por um Conselho composto pelos Conselheiros efetivos do Tribunal de Contas do Distrito Federal, que funcionará junto ao seu Plenário.

§ 1º O Presidente do TCDF presidirá o Conselho.

§ 2º O Chefe de Gabinete da Presidência do TCDF é o Chanceler da Ordem, cabendo-lhe de início o grau de Comendador.

§ 3º As sessões do Conselho serão secretariadas pelo Secretário-Geral das Sessões do Tribunal de Contas do Distrito Federal, podendo dela participar o Chanceler.

§ 4º Os integrantes do Conselho são considerados membros natos da Ordem, no seu Quadro Ordinário.

§ 5º O Coordenador de Cerimonial e Assessoramento Institucional da Presidência do TCDF prestará assessoria protocolar ao Conselho da Ordem.

Art. 13. Compete ao Conselho da Ordem:

I - aprovar ou recusar, em sessão reservada, as indicações de admissão ou promoções que lhe forem submetidas pelos seus membros integrantes;

II - velar pelo prestígio da Ordem e pela fiel execução do seu Regulamento;

III - aprovar o seu Regimento Interno;

IV - propor a suspensão ou exclusão de qualquer membro da Ordem, por prática de ato incompatível com a dignidade da Ordem.

V - resolver os casos omissos.

Parágrafo único. O Conselho reunir-se-á, ordinariamente, entre os dias 15 e 30 de junho e extraordinariamente, em qualquer época, mediante convocação de seu Presidente.

Art. 14. Os membros do Conselho não perceberão qualquer remuneração pelos seus serviços prestados à Ordem.

Parágrafo único. Serão considerados serviços relevantes os prestados com dedicação à Ordem e ao seu Conselho, pelos seus membros integrantes ou por servidores do TCDF.

Art. 15. Compete aos membros do Conselho indicar os nomes das pessoas ou entidades a serem admitidas na Ordem.

§ 1º As indicações deverão conter o nome do candidato, sua nacionalidade, cargo ou função que exerce e/ou exerceu, dados biográficos e resumo dos serviços prestados ao País, ao Distrito Federal ou à instituição que a motivaram.

§ 2º As indicações deverão ser encaminhadas ao Secretário do Conselho, até o dia da 1ª reunião ordinária de cada ano.

§ 3º As indicações serão submetidas ao Conselho, pelo seu Presidente, pela ordem cronológica de encaminhamento.

Art. 16. Os interstícios para a promoção nos Quadros da Ordem são de no mínimo os seguintes:

De Cavaleiro a Oficial 2 anos

De Oficial a Comendador 3 anos

De Comendador a Grande Oficial 4 anos

De Grande Oficial a Grã-Cruz 5 anos

Art. 17. Os membros da Ordem somente poderão ser promovidos ao grau imediato quando houverem prestado novos e relevantes serviços ou quando houverem completado o interstício a que se refere o artigo anterior, salvo quando a colocação em grau inferior decorreu da falta de vaga naquele que seria o devido.

Parágrafo único. Em qualquer caso, a promoção somente verificar-se-á se houver vaga no grau imediatamente superior.

Art. 18. A entrega das condecorações será feita, em solenidade pública, no Edifício sede do Tribunal de Contas do Distrito Federal, presidida pelo Presidente do TCDF, no dia 15 de setembro, data da instalação do TCDF.

Parágrafo único. Por motivo de força maior ou quando se tratar de condecoração de personalidade estrangeira, a entrega poderá ser feita em qualquer outra data ou local, previamente fixados pelo Presidente do TCDF.

Art. 19. Cabe, privativamente, ao Grão-Mestre entregar as Condecorações aos agraciados com a Grã-Cruz.

§ 1º As condecorações referentes aos outros graus poderão ser entregues pelos demais membros do Conselho da Ordem.

§ 2º Juntamente com as condecorações, será entregue ao agraciado o respectivo diploma, assinado pelo Chanceler da Ordem e Secretário do Conselho.

Art. 20. O Conselho da Ordem, para cada Quadro, terá um livro de registro, rubricado pelo Chanceler, no qual serão inscritos, por ordem cronológica, o nome de cada um dos membros da Ordem, o respectivo grau e seus dados biográficos, mantendo-se o registro também por meio eletrônico.

Art. 21. Aprovada a presente resolução, o Conselho da Ordem será convocado, para sua instalação, em sessão solene presidida pelo Presidente do TCDF.

Parágrafo único. Na sessão, a que se refere este artigo, serão entregues aos membros do Conselho da Ordem as respectivas condecorações, nos termos do artigo 12, § 4º, desta Resolução, ressalvada a possibilidade de seu adiamento ou diferimento das outorgas.

Art. 22. As despesas decorrentes da aplicação desta Resolução correrão por conta de rubrica própria do orçamento deste TCDF.

Art. 23. Esta Resolução entrará em vigor na data da sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

(*) Em decorrência da limitação imposta pelo art. 16 do Decreto nº 23.501/02, o anexo mencionado poderá ser consultado no endereço eletrônico www.tc.df.gov.br.

MANOEL DE ANDRADE p. 24, col. 2

Este texto não substitui o publicado no DODF nº 136, seção 1 de 19/07/2004 p. 24, col. 2